Conheça as principais diferenças entre Coil Tap e Coil split

Guitarra com função Coil Tap
4 minutos para ler

Você pode ouvir o som de vários captadores diferentes para escolher o ideal, mas saber como eles funcionam e quais suas funcionalidades ajuda a definir como usá-los para alcançar os objetivos que deseja. Dentre essas variações de funções temos o Coil Split e o Coil Tap.

É verdade que boa parte dos melhores guitarristas utiliza configurações variadas, mas nem todos estão em condição de manter 20 guitarras top de linha. Mesmo que seja o seu caso, é preciso saber quando e para quê utilizar cada alternativa.

Continue a leitura deste post e entenda melhor essas diferenças!

Como definir o Coil Split e o Coil Tap?

Antes de uma definição mais direta, saiba que os captadores humbucking são aqueles nos quais duas bobinas e dois ímãs são usados ​​juntos e apenas esse tipo de captador pode ser construído com essas funcionalidades. Como eles têm polaridade oposta, o efeito é que os ruídos e zumbidos indesejados produzidos por uma delas é cancelado pela outra, permitindo uma saída mais alta e um som mais denso e pesado.

Nos captadores com Coil Split é possível anular uma das bobinas, produzindo um efeito semelhante ao de captadores com bobina única, chamados single-coil. Já no caso do Coil Tap, a bobina do captador pode ser usada do primeiro ao último fio enrolado ou apenas até um estágio intermediário nesse mesmo percurso.

Vamos entender melhor essa “mecânica sonora”! Para isso, lembre que o captador é composto por milhares de voltas de fios de cobre. Dependendo do objetivo, a quantidade de voltas é maior ou menor, permitindo a produção de um sinal de saída mais forte ou mais fraco, respectivamente.

Em um captador com Coil Tap pode haver, por exemplo, 5000 voltas de fio de cobre no total, sendo que, depois de 2000 delas, existe uma conexão que, quando acionada, capta o sinal de saída apenas até certo ponto.

Para resumir as diferenças, podemos dizer que o Coil Split permite desativar um lado do humbucker. Já no Coil Tap, a desativação ocorre com a anulação de parte dos fios de cobre enrolados na bobina do captador. Assim, a saída é diminuída pela desativação de um estágio da bobina. Ambos os efeitos são normalmente ativados por meio de um dos botões de volume de estilo “push-pull”, aqueles que podem ser puxados para baixo ou para cima.

Quando optar por um ou outro?

Não faz muito tempo, os guitarristas se dividiam entre os que usavam um timbre clean, os que exageravam na distorção e os que ficavam entre os dois. Atualmente, muitos alternam entre várias possibilidades de timbre, dependendo do que desejam. Isso sem contar os profissionais que se dedicam aos covers, o que exige versatilidade.

Por isso, não entraremos no mérito sobre qual a melhor opção, mas descreveremos algumas características e recursos de cada alternativa para que você decida entre elas de acordo com a sua conveniência.

Então, com o Coil Split você conseguirá um som mais espesso e quente, enquanto o Coil Tap vai entregar um timbre fino e com mais brilho. Como o captador duplo anula ruídos, é possível usar a saída mais forte para obter um som mais definido e claro, ainda que pesado.

Ainda, com a divisão que descrevemos, o seu humbucker vai simular o som de um captador single coil. Contudo, embora você possa contar com essa versatilidade, não imagine obter um som de Telecaster usando uma Gibson com Coil Split, pois outros elementos, como a madeira, o braço colado ou parafusado e até a pintura influenciam o resultado.

Ficou claro como diferenciar o Coil Split do Coil Tap? Agora é só escolher a guitarra mais adequada. Em alguns casos, você pode, inclusive, trocar captadores e instalar botões “push-pull” para acionar uma ou outra função.

Por falar nisso, que tal continuar sua leitura e descobrir como escolher a guitarra ideal?

Você também pode gostar

Deixe um comentário