Conheça as principais diferenças entre cifra, tablatura e partitura

4 minutos para ler

Entender a diferença entre cifra, tablatura e partitura é útil para que você possa definir suas preferências, saber como elas se aplicam no dia a dia e em quais situações elas podem ser usadas ou devem ser dispensadas.

Então, neste post, vamos abordar suas diferenças básicas, utilidades e funções. Assim, você poderá decidir como usar essas ferramentas. Acompanhe!

A partitura

Partitura

Por um minuto, imagine-se um compositor barroco. Você está em pleno processo de criação de uma peça erudita encomendada. Nesse exercício, precisa garantir que algumas dezenas de músicos a executem exatamente como você a imaginou. Não dá para fazer isso cantando as frases para eles, certo?

A partitura é a solução para isso. Não só para representar cada detalhe da execução, mas para a própria atividade de composição. Uma peça escrita para uma sinfônica é elaborada com o uso da própria partitura, uma vez que os instrumentos só fazem sentido quando tocados juntos.

Ainda que algumas frases possam ser tocadas em algum instrumento durante o processo de criação, o todo da composição precisará ser transcrito para a partitura, de acordo com regras definidas de produção.

Além de permitir essa atividade de arranjo, as partituras fornecem uma notação muito clara e detalhada, ainda que não seja perfeita. Detalhes como acentuação rítmica, tempo, velocidade, o próprio ritmo e a melodia estão presentes e determinados.

Portanto, a partitura informa as notas que devem ser tocadas, a interpretação que precisa ser dada a elas, o tempo, a velocidade, o tom e assim por diante. Além disso, a partitura também pode descrever exercícios e informar detalhes teóricos, como os modos gregos.

A tablatura

Tablatura

Agora, imagine um professor de guitarra que deseja descrever em forma de “um desenho” como tocar uma frase no instrumento. Ele não quer informar apenas as notas aos alunos, e sim o melhor local do braço para que a música seja executada, por exemplo.

Talvez, o objetivo seja mostrar a possibilidade de fazer um acorde de Lá maior com pestana na 5ª casa ou com duas cordas soltas e 3 dedos na 2ª.

É esse desenho de uma frase melódica ou de um acorde que é representado na tablatura. Ou seja, no lugar das notas descritas em uma partitura, esse formato registra a execução delas no braço de um instrumento de cordas.

Além de não servir para registrar uma música tocada em uma arpa, por exemplo, ela não é tão completa e detalhada em aspectos como velocidade, tom, acentuação e representação de intervalos de silêncio.

Ainda assim, a tablatura é uma grande aliada dos iniciantes, pois é simples de entender e usar, uma vez que é uma representação do braço do instrumento, o que a torna mais intuitiva.

As cifras

Cifra

Em contrapartida, as cifras representam acordes em forma de letras do alfabeto, somadas a números e símbolos. Elas apenas sinalizam qual acorde deve ser tocado, mas não especificam qual a sua digitação, deixando o músico livre para fazer essa escolha. Utilizadas sempre em conjunto com a letra da música em questão, cada símbolo é posicionado acima da sílaba exata em que o acorde deve ser trocado, mas não representam o ritmo, a acentuação e outros detalhes da execução da canção.

Ficou clara a diferença entre cifra, tablatura e partitura? Nesse conteúdo, procuramos evitar uma explicação essencialmente descritiva e focamos mais em termos funcionais, por entendermos que é o que realmente interessa. Assim, é possível determinar por você mesmo a notação mais útil e viável em cada situação.

Agora, chegou o momento de acessar uma postagem complementar que separamos para você. Continue por aqui e confira 5 aplicativos para músicos que vão te ajudar muito!

Você também pode gostar

Deixe um comentário