Saiba como fazer uma boa improvisação musical

Pessoa tocando guitarra
4 minutos para ler

A improvisação musical é a arte de criar uma melodia na mesma hora em que se está tocando, sem nada planejado. Mas, apesar da liberdade e da espontaneidade, o improviso não significa que o músico deve apenas tocar as notas sem nenhum tipo de ordem.

Na verdade, para ter um bom resultado, é fundamental que você experimente diferentes abordagens em suas composições, como ritmos, acordes e melodias. Assim, é possível evoluir e expandir a sua intuição sonora, tendo mais criatividade para testar novas ideias e criações.

Neste post, saiba como é possível fazer uma boa improvisação musical e começar a praticar essa técnica. Confira!

Qual a importância da improvisação musical?

O improviso pode ser realizado com qualquer instrumento, inclusive a voz. Ele é completamente distinto de composições ensaiadas. Por meio dele, é possível criar músicas autênticas sobre acordes e ritmos e conceber materiais totalmente únicos.

Nesse sentido, a improvisação é uma técnica que muitos músicos utilizam para desbloquear ideias. Desse modo, as pessoas entendem como usar melhor a criatividade, deixando o controle de lado em suas diferentes composições musicais.

Como aperfeiçoar a improvisação musical?

Independentemente das técnicas de improvisação que você usa, o segredo está na prática, pois só assim você consegue experimentar diferentes abordagens. No entanto, é fundamental conhecer bem as escalas básicas e identificar a tonalidade de cada música.

Separamos, então, algumas dicas para melhorar o seu desempenho na improvisação!

Modificar frases prontas

Uma primeira estratégia pode ser treinar a aplicação de frases prontas em vários contextos musicais. Assim, é possível desenvolver a habilidade de encaixar o mesmo conceito em diferentes músicas e criar composições mais originais.

O próximo passo é pegar as frases e realizar alterações, tentando colocar suas ideias a partir disso. Após certo tempo, a improvisação se torna mais natural, sem a necessidade de se basear em alguma frase ou música pronta.

Utilizar escalas tradicionais

Além disso, é possível começar com uma escala mais fácil ou mais conhecida, como a escala maior, tocando as notas na ordem tradicional e, depois, recomeçando o exercício em uma ordem diferente. Dessa maneira, consegue-se criar a sua própria sequência de notas, sempre dentro do mesmo campo harmônico.

Com o tempo de prática, você começa a descobrir os tons musicais, desenvolvendo e treinando seu ouvido e, consequentemente, acaba se surpreendendo com as suas improvisações. Assim, rapidamente, descobrirá que o improviso pode propiciar novas ideias e fazer com que você saia da rotina, aumentando sua criatividade e ampliando seu potencial.

Improvisar em cima de backing tracks

Backing tracks são bases de músicas feitas para você tocar sem uma banda ou grupo de amigos reunidos. Talvez a maior vantagem desse método seja a forma como a base te força a tocar no tempo certo.

Quando tocamos sozinhos, muitas vezes não percebemos que estamos devagar ou rápidos demais. Já a música de fundo não aceita erros de tempo.

Além disso, acompanhar uma base mostra a você como notas fora da escala não soam corretas. Assim, você vai evitar ainda mais o erro, além de pegar uma boa sensibilidade auditiva.

Outro bom exercício é tentar achar a escala certa para cada base. Teste os desenhos de várias formas e, de ouvido, identifique se está no mesmo tom da música

Existem sites que disponibilizam backing tracks gratuitas, mas, você pode simplesmente buscar no YouTube algo como “Blues Guitar Backing Track”. O tom da música normalmente está inserido no título do vídeo.

Desenvolver a improvisação musical é uma habilidade que leva tempo. Por isso, é fundamental investir e se dedicar, pois, é assim que o iniciante adquire o feeling e aprende a colocar suas expressões na música de forma autêntica e original.

Gostou do conteúdo? Aproveite e deixe o seu comentário no post para contribuir com o debate sobre esse interessante tema!

Você também pode gostar

Deixe um comentário