Confira 4 principais madeiras para instrumentos musicais e suas características

3 minutos para ler

É possível relacionar a teoria elaborada por Pitágoras de que o som fica mais grave depois de percorrer um caminho mais longo com o uso de madeiras para instrumentos musicais. Além dessa relação entre a frequência da nota e o espaço de vibração, o material usado também favorece ou dificulta a propagação do som.

Diversas madeiras têm densidades e outras características que também alteram a forma como o som se propaga. Em graus diferentes, é como quando abafamos uma corda ou imprimimos maior intensidade à vibração dela.

Continue a leitura deste post e saiba mais sobre o comportamento de 4 das principais madeiras do mundo da música!

A sonoridade das madeiras e o preparo adequado

Para começar, faremos uma breve relação entre as propriedades da madeira que exercem influência sobre o som. São elas:

  • físicas: resistência, massa, densidade e contrações;
  • mecânicas: basicamente a elasticidade e capacidade de ruptura do material;
  • capacidade de filtragem: madeiras com mais resina filtram os sons mais agudos, enquanto as menos resinosas filtram melhor sons graves;
  • abertura do som: ocorre no momento em que o tampo do instrumento ressoa como consequência da vibração da corda;

Essas propriedades variam de importância e efeito, dependendo do instrumento em que serão usadas. Por exemplo, uma boa madeira para gaita de boca não é, necessariamente, ideal para uma guitarra. Até mesmo braço e corpo de instrumentos de corda são comumente feitos com madeiras diferentes.

Além disso, é fundamental avaliar o processo de preparo da madeira. Independentemente da classificação e das propriedades naturais de cada árvore, o preparo especializado e cuidadoso do material deve garantir, entre outros fatores, a secagem ideal.

Um processo bem feito evitará rachaduras e preservará as propriedades originais da madeira, garantindo que ela reaja melhor às variações do clima.

As principais madeiras para instrumentos musicais

1. Pau-Ferro

Madeira Pau Ferro

Madeira de alta densidade. Portanto, resistente e com boa durabilidade. Ela suaviza os tons agudos e acentua os médio-graves. Ainda, como tem uma resinosidade média, oferece um bom equilíbrio ao timbre.

2. Maple

Madeira Maple

É muito usada em fundos de violinos, devido ao seu baixo peso, boa resistência e ótima tonalidade. A quantidade de resina acentua os agudos e a densidade favorece a projeção do som.

3. Mogno

Madeira Mogno

Você provavelmente já viu o Mogno presente nas especificações de algum instrumento de corda do seu interesse. Ele é comumente utilizado por sua média densidade e grande firmeza. A junção dessas duas características gera boa projeção e sustain, adoradas por grande parte dos músicos. Porém, a ampla utilização do Mogno agravou os riscos de sua extinção.

4. Alder

Madeira Alder

Leve, a Alder também é resistente e tem uma densidade média. Famosa por compor as guitarras Fender, ela tem um bom filtro para agudos.

Para concluir, vale mencionar a importância de valorizar um bom luthier no momento de escolher as madeiras para instrumentos musicais. Ninguém melhor para orientar sobre decisões desse tipo. Especialmente, porque o resultado final depende de uma combinação de fatores.

Pensando nisso, confira uma postagem complementar que separamos para você sobre as diferenças entre os tipo de verniz para guitarra!

Você também pode gostar

Deixe um comentário