Você sabe o que são modos gregos? Entenda o básico!

Músicos estudando teoria musical
3 minutos para ler

Já ouviu falar em modos gregos? Quando paramos para observar as técnicas existentes e aplicáveis à guitarra, encontramos tantas que muitas pessoas podem ficar perdidas.

Entretanto, existem alguns tipos de escalas que, se você conhecer e souber aplicar, certamente elevarão muito o seu nível e irão destacar você da maioria dos outros músicos. Então, quer saber mais sobre os modos gregos?

Acompanhe esta leitura e comece a entender o que você precisa saber para se desenvolver nesse tipo de técnica!

Afinal, o que são modos gregos?

Tratam-se de escalas distintas extraídas da diatônica. Como parte da teoria musical do mundo veio da Grécia antiga, naturalmente, muitas das técnicas recebem nomenclaturas que remetem a esse país, daí o nome: modos gregos. Cada tonalidade terá os seus modos correspondentes, como mostraremos no próximo tópico.

Quais são os modos gregos?

Temos 7 escalas nos modos gregos. A primeira é o Jônico. Essa pode ser considerada a escala natural das tonalidades, por exemplo, no caso de dó, seria: C, D, E, F, G, A, B.

Além desse, temos o Dórico, que é a escala menor com sexta. Esse modo se inicia sempre no segundo grau da escala natural. Ainda, existe o Frígio, que é, basicamente, o segundo grau menor de uma tonalidade e sempre inicia na terceira nota da mesma.

O Lídio, outro modo grego, é a escala maior com a quarta aumentada. Sua aplicação iniciará sempre no quarto grau da tonalidade. O Mixolídio é a escala maior com sétima menor e inicia-se sempre no quinto grau da escala tonal. Ainda, o Eólico equivale à escala menor natural e tem início sempre na sexta nota de uma tonalidade.

Por fim, temos o Lócrio que, nos modos gregos, é a escala menor com o segundo grau também menor e a quinta diminuta.

Como aplicar os modos gregos ao braço do instrumento?

Saber como aplicar esses elementos pode ser um verdadeiro divisor de águas, especialmente, quando se sabe aplicar exatamente cada um deles.

Sendo assim, o primeiro passo é saber como montar esses modos no braço da guitarra ou outro instrumento de corda. Para isso, mostraremos, por meio de tons e semitons, como são essas escalas:

  • modo Jônico ou Jônio: tom — tom — semitom — tom — tom — tom — semitom;
  • modo Dórico: tom — semitom — tom — tom — tom — semitom — tom;
  • modo Lídio: Tom — Tom — Tom — Semitom — Tom — Tom — Semitom;
  • modo Mixolídio: Tom — Tom — Semitom — Tom — Tom — Semitom — Tom;
  • modo Eólio: Tom — Semitom — Tom — Tom — Semitom — Tom — Tom;
  • modo Lócrio: Semitom — Tom — Tom — Semitom — Tom — Tom — Tom.

O ideal é que você treine todas as tonalidades para desenvolver essa habilidade, assim, além de saber o que são modos gregos, você também obterá uma boa aplicação da técnica, colocando-se em um patamar acima de muitos guitarristas que ainda não conhecem esse tipo de escala.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre outros assuntos importantes para o seu desenvolvimento no instrumento? Então, leia este outro artigo que preparamos para você. Nele, mostraremos a diferença entre os tipos de construção dos braços de guitarra e como eles influenciam seu som!

Você também pode gostar

Deixe um comentário